segunda-feira, 17 de outubro de 2011

CAVALO CRIOULO

CAVALO CRIOULO, da raça crioula. De médio porte, cola e quilina grossas, bem entroncado, machinhos cabeludos. Tem o seu corpo mais peludo que o cavalo inglês. - É o cavalo de "virar o xergão", resistente ao frio, ao trabalho, caborteiro de baixo. É dito o cavalo mais intelgente e por isso o preferido tanto pelo peão como pelo patrão. ito, também, o cavalo "orgulho do Rio Grande"!
Fonte: Dicionário Gaúcho do Cavalo - Edilberto Teixeira


"Tempo houve em que só tu te aventuras com o homem no deserto; foste a corruagem, a diligência, a carreta, o único veículo, o único meio de transporte. Teu casco lançou o batismo às planuras da Aaméria, ao solo misterioso de seus bosques, as suas ásperas coxilhas; tua crina foi o priemiro penacho da civilização eriçado pelo hálito do pampeano."

Delfino M. Rieth - O Cavalo Crioulo


Cavalo Crioulo: É o conjunto de animais descendentes dos cavalos trazidos da
península ibérica, no século XVI, quando pela conquista da América. Adquiriram características únicas e próprias após quatro séculos de adaptação e evolução no meio ambiente sul americano.



O PREPARO


Todo o preparo trançado
ponteado, chato ou de sola,
carece de vinte argolas
com um "passador" junto delas,
e exige só uma fivela
pra graduação do rabicho.
E a "bomba", a "trança" e o "botão"
fazem do guasqueiro um artesão
cheio de imagem e capricho.

com a sua "faca pitoca"
desquinando a lonca chata,
faz do tento um fio de prata
e o "botão" fingindo a flor.
Com a ponta do "cravador",
chuliada por mãos de esteta,
na lonca do pensamento,
a arte de tirar tentos
faz do guasqueiro um poeta.

O vento imita o guasqueiro,
cruzando a pátria gaúcha,
quando se faz, que nem bruxa,
trançando a crina dos potros.
- E o luar é, também, outro
guasqueiro de profissão,
pois, entre as sombras da mata,
com lindos tentos de patra,
vive a tranças solidão.

Edilberto Teixeira (fonte: Dicionário Gaúcho do Cavalo)

Alguns versos do meu agrado...

"A história é como o gemido da carreta
deixa um lamento de saudade na memoria dos velhos
e uma ansia de largos horizontes no coração dos moço"


"Sonhou levando pra Côrte
o gesto, o orgulho, a hombridade
e a imensa brasilidade
da brava gente pampeana.
- Foi a gesta trabuzana
que inspirou o sonho fagueiro,
pois, desde os tempos do Império,
o gaúcho e o quero-quero
sempre gritaram primeiro!"


"E só a saudade é o sinuelo
daqueles bons velhos tempos,
reculutando os momentos
de ansiado e fútil retorno.
Longínquo é o passado morno
remendado a paliativos!
Recados que se esqueceram,
velhos umbús que morreram
junto aos sonhos primitivos."



Todos de autoria de Edilberto Teixeira