sábado, 9 de novembro de 2013

Paixão!





























Posso me dizer apaixonada pelos amigos, pela família, pelos animais ou pela minha casa, mas o que eu realmente sou apaixonada é por este pôr-de-sol que foi regalado aos gaúchos. Assim, simples e luxuoso, este é o meu maior contentamento. Não desfaço de nasceres-de-sol, dias nublados, ou qualquer outro estado do céu, pois sempre me encantam, mas nada como este pôr-de-sol que posso ver lá fora, do fundo das casa. Este é o MEU pôr-de-sol, mas quero compartilha-lo com as minhas outras paixões: amigos, família, meus bichinhos...

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Troquei alianças com a lua!

"Já que não tenho potreiros
Pra ensaiar serenatas,
Troquei alianças com a lua,
Que me aceitou de alpargatas..."
♪♫





























http://www.youtube.com/watch?v=d5qJBBixaN0

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Encanta-me e me deixo encantar..























O que mais me encanta, onde quer que eu esteja, é o céu. Nada faz-me sentir tão em casa como o pôr de sol. Nada é tão lindo e tão estimulante como esta combinação de cores do entardecer. Érico Veríssimo, em sua trilogia "O Tempo e o Vento", consegue narrar todo o entardecer na campanha e suas cores, mas seja na campanha ou na cidade algo tão grandioso sempre tem destaque; algo tão grandioso não ofusca a beleza de lugar algum, mas a completa. O céu gaúcho é mais que um regalo pra quem pode admirá-lo, com seus desenhos em nuvens, sua lua sempre bem delineada em todas as fases e este sol sempre maravilhoso. Ou diria "nosso"? NOSSO regalo muito bem preparado com tanto carinho e dedicação. Nada me faz pensar mais em casa, me dá e mata a minha saudade ao mesmo tempo. Como? Eu não sei. Apenas seu que é meu maior encanto! E hoje ele estava assim, lindo como sempre, diferente a cada dia.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Ah, Felicidade!




















"Ah, felicidade, cevei um mate, 
desencilhei a vida e... 
larguei 'campo fora' o pensamento!
A lida se parou escassa 
e eu me vi com o coração 'as traças', 
mais atirado que pelego velho. (...)
Mas hay que se continuar vivendo
sofrendo, chorando, fingindo... 
cantando...
Quem vê de longe nem diz, pois, parece que se é feliz!" (Juca Moraes)

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Eu sempre afirmarei, perseverante:
Quer seja um sábio, um padre, um ignorante,
quer seja um papa, um rei, seja um cristão,
os homens são os mesmos pecadores,
e são sempre da mesma condição.

-Catullo da Paixão (em "Um boêmio no céu") -

terça-feira, 23 de julho de 2013

"Aqui, onde a natureza fala, e a poesia conta e encanta, dá saudades.
Acho que quero ser "corruíra", se me for permitido ser tão leve."


segunda-feira, 15 de julho de 2013

Se hoje é um dia especial?? É claro!! O que seriam de nós mulheres sem os homens?? Feministas que me desculpem, mas NÃO, o mundo NÃO É das mulheres, nunca foi e nunca vai ser. O mundo nada seria sem a força (não só no sentido físico) dos homens. Nada seria de nós sem um pulso forte na criação, um conselho, um abraço de pai. Nada seria de nós sem uma boa história contada por um avô, e o respeito que ele nos impõe. Nada seria de nós sem um abraço protetor de irmão. Nada seria de nós sem amigos verdadeiros. Devemos muito aos homens, pois foram eles que construíram o mundo como ele é, e que as mulheres insistem em mudar (não to dizendo que não foram boas algumas das mudanças, mas não quero igualdade), eles fizeram a nossa história, e continuam construindo. Enquanto a mulher precisa de lições pra crescer, o homem tem que buscar por seus próprios pés seu amadurecimento. Ele tem de aguentar tudo sem se mostrar fraco, sem por "a prova" sua masculinidade, sempre sendo o apoio a todos.

Meus parabéns a todos os homens!

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

-Poema sem Título -

"Sou daqueles que vive para o espírito
Sou daqueles
que vivem perdidos nos abismos insondáveis
do imaterial.
Mas, que sentem essa atração sedutora
de desvendar o mistério do desconhecido.
Sou daqueles que vivem a existência toda
ancorado no cais oco do vácuo
e com os olhos fitos na fímbria enamorada
de desconhecidos oceanos.
Sou daqueles que estridulam desesperos
ante o turbilhão da vida
e que gritam de tédio ante o silêncio das coisas mortas.
Sou daqueles que sempre estão querendo alguma coisa
tal qual um caçador perdido na floresta,
procurando uma saída mas feliz dentro dela.
Sou daqueles que escreve um poema
querendo dizer alguma coisa
mas nada dizendo!
Sou daqueles que ao fim desse poema
sentem-se felizes por ter escrito um poema!"

-Poema sem Título - 
Edilberto Teixeira

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Ah! o vento..


"Parece que o vento maneia o tempo."

E deve ser por isso que gosto tanto de ouvi-lo. Gosto de tudo calmo, como se não houvesse preocupação alguma, como se a vida nunca tivesse um fim... Não gosto da preocupação das horas, apesar de não perdoar atrasos. Na verdade gosto quando as horas não existem. Gosto da calma que o vento vem e vai, de como ele leva tudo de ruim embora e nos deixa à espera do bom. Gosto quando a noite chega mansa, e assim se transforma em dia. Gosto da espera. Gosto quando os momentos felizes demoram a passar. Gosto da demora do tempo com sua pontualidade infalível.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013



"Seu Espinho era do campo, morador da serrania
Era lanceiro de noite, mas era espinho de dia
Flor de Tuna era caseira, usava saia de chita
De dia se achava feia, de noite andava bonita.

O pé de tuna do campo era o cenário perfeito
Pra um amor de flor bonita e um espinho de respeito
Seu Espinho, moço novo, se apaixonou pela flor
Mas tinham muitos no campo que juravam o mesmo amor.

(...)
Quem passasse assim, olhando, às vezes falava baixinho
'Como pode a mesma tuna dar flor bonita e espinhos?' "

-Trecho de "Seu Espinho e Flor de Tuna"

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

João Barreiro



João Barreiro...João Barreiro...
Velho pássaro bizarro
Que dum ranchito de barro,
Amassado com carinho,
Fizeste galpão e ninho
Na maior indiferença,
E nem pediste licença
Pra mim que sou teu vizinho!

Pois na cabeça de um poste,
Na entrada do parapeiro,
Te arranjaste bem a jeito
Erguendo teu rancho forte,
Meio de esguelha p’ra o norte
Porque és muito previdente...
Eu até fiquei contente;
Dizem que dás muita sorte!

-Jayme Caetano Braum-






"Vim lá de fora, vim da campanha
Vim de a cavalo, mas bem capaz
Vim desconfiado, trocando orelha
Ora pra frente, ora pra trás!"


Nascentes efêmeras 
Em clareiras súbitas 
Entre as luzes tardas 
Do imenso crepúsculo.


 Negros megalitos 
Em doce decúbito 
Sob o peso frágil 
Da pálida abóbada 



Calmo subjacente 
O vale infinito 
A estender-se múltiplo




Inventando espaços 
Dilatando a angústia 
Criando o silêncio....




Vinícius de Moraes
"Pôr-do-sol em Itatiaia"