terça-feira, 1 de janeiro de 2013

João Barreiro



João Barreiro...João Barreiro...
Velho pássaro bizarro
Que dum ranchito de barro,
Amassado com carinho,
Fizeste galpão e ninho
Na maior indiferença,
E nem pediste licença
Pra mim que sou teu vizinho!

Pois na cabeça de um poste,
Na entrada do parapeiro,
Te arranjaste bem a jeito
Erguendo teu rancho forte,
Meio de esguelha p’ra o norte
Porque és muito previdente...
Eu até fiquei contente;
Dizem que dás muita sorte!

-Jayme Caetano Braum-






"Vim lá de fora, vim da campanha
Vim de a cavalo, mas bem capaz
Vim desconfiado, trocando orelha
Ora pra frente, ora pra trás!"


Nascentes efêmeras 
Em clareiras súbitas 
Entre as luzes tardas 
Do imenso crepúsculo.


 Negros megalitos 
Em doce decúbito 
Sob o peso frágil 
Da pálida abóbada 



Calmo subjacente 
O vale infinito 
A estender-se múltiplo




Inventando espaços 
Dilatando a angústia 
Criando o silêncio....




Vinícius de Moraes
"Pôr-do-sol em Itatiaia"