quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Às vezes o nosso pensamento se torna pesado, sentimos como se tudo estivesse errado em nossa vida. Repensamos escolhas feitas no passado e imaginamos como estaríamos hoje se elas tivessem sido de outra maneira, e acabamos nos convencendo que foram todas equivocadas. A vontade maior é pegar um relógio e fazê-lo girar ao contrário até o dia da decisão que nos trouxe aqui, mas isso não é possível. Então a vontade é largar tudo e começar do zero, mas esse tudo é tão pouco e foi tão difícil conquistar que acaba não sendo tão fácil assim. Então vem o desespero, a sensação de estar perdido e de nada mais fazer sentido. E se eu tivesse escutado aquele amigo? E se eu tivesse escutado meus pais? E se eu optasse por outra decisão? E se eu tivesse deixado aquilo pra mais tarde? E se eu tentasse de uma maneira diferente? E se eu tivesse me dedicado mais? E se eu não tivesse me dedicado tanto? E se...? E se...? E o que mais dói é que sempre alguém poderá dizer-nos: "eu avisei!".
Mas então seguremos o pranto, acalmemos a alma e aceitemos. Aceita, pois, teu plantio e tua colheita. A velha citação de que "tu te tornas eternamente responsável pelas tuas escolhas" é totalmente certa. Engole o choro e bola pra frente. Se fizemos alguma escolha, é porque ela era SIM a melhor, é porque era sim pra ter resultado em tudo que temos agora. Temos de seguir até o fim, se começamos algo, temos de terminar. A questão é "matar no peito" as nossas escolhas e honrá-las. Honrá-las a ponto de termos orgulho dela. Honrá-las para mostrarmos pro mundo que estávamos certos. Honrá-las para que sejamos honrados.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Nostalgia

Hoje, logo à tardinha, minha irmã me enviou essa foto para que eu conhecesse meu potrinho. Isso me fez ter uma saudade de casa, daquelas que sentimos como se nunca mais fossemos ver de novo algo, como se nada tivesse volta, mas me fez ter uma paz ao lembrar que logo, logo essa será novamente a minha morada, sem uma necessidade de ir embora ao final do domingo nem nada, e também um sentimento de agradecimento aos meus pais por me ensinarem a gostar, antes de tudo, do que é meu, do que me faz ter chão, do que me põe comida na mesa. A vontade de largar tudo e voltar correndo pra "barra da bombacha" dos meus pais é enorme, mas não maior que a consciência de ter de crescer e construir um futuro brilhante aqui. Muito obrigada pai e mãe por me mostrarem esse carinho e comprometimento com nosso chão e por me mandarem pra tão longe de vocês, mesmo contra a vontade, para realizar este sonho.



sexta-feira, 14 de novembro de 2014

quinta-feira, 23 de outubro de 2014


"Campo fino, aguada boa, o gado pega a engordar

Uma vacagem pampeana que dá gosto de se olhar"

(Quadro de Campo - Gerson Brandolt) 

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Abigeato e inspeção...

Quem compra carne sem carimbo de inspeção, seja ela municipal, estadual ou federal, está fomentando o crime mais comum em regiões de pecuária. Quem come carne sem procedência, aquela mais baratinha do boteco da esquina, é criminoso também. Criminoso não é só aquele que pratica o abigeato, mas também aquele que comercializa, compra ou apenas vai naquele churrasco que um amigo "de confiança" convidou. Esta semana vai ter carne barata e churrasco pra gurizada "buena" lá em São Gabriel, e de qualidade pois a carne é de nossa criação, levada por gente que não tem o mínimo de vergonha na cara. Talvez esses mesmos estejam "tapados" de ferramentas e suplementos compradas com dinheiro de outros bois como esses 5 que nos levaram, e eu "tapada" de nojo. Mas não há de ser nada, pois aqui tem gente trabalhadora, tem homem que honra o fio do bigode, o que nos levam vem em dobro! O que se ganha com o suor de homens trabalhadores que não medem esforços legais para o sustento dos seus tem muito mais valor do que é consumido sem sacrifício. O que se "acha" nunca vai ter o mesmo gosto do que se "batalha". Só espero que esses infelizes um dia saibam o valor do trabalho e de se sustentar com o próprio braço. E a nós, resta a indignação e a vontade de passar por cima de tanto "atrapalho alheio" pra continuar e crescer.
"Y aquel milico, baqueano de policía
Que monta guarda numa alazona retaca
Conhece o rumo do deitador que se abre
Mas nunca sabe pra onde foi, ladrão de vaca" ♪♫

sábado, 20 de setembro de 2014

Vim de férias sem intenções algumas de aproveitar de maneira "festiva", minha unica vontade era descansar. Ao contrário disso, aproveitei ao máximo, pude matar a saudade lá de fora e me divertir bastante na cidade. Só tenho a agradecer à aqueles que firmei laços, enraizei amizade e novos conhecidos que já aprendi a gostar muito. Volto com um peso, pessoas que partiram nesse intervalo de tempo assim sem explicação, pessoas que levavam a vida com toda gana e sorriso no rosto. Volto com a experiencia de um susto grande, prejuízo material, mas que me mostrou que vale a pensa ter amigos que realmente se importam.
Espero um semestre proveitoso e de muito conhecimento, um fim de setembro lindo e muita coisa boa.
Um muito obrigada àqueles que fazem parte da minha vida e a preenchem.
Agora é tempo de enfiar a cara na vida. Não vale a pena vê-la passar assim, sem sentido, sem esgotar o máximo que ela tem a nos oferecer.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014




"Um pealo - um tombo - grunhidos
de impotente rebeldia,
o sangue da cirurgia
No laço e no maneador.
Nada pra tapear a dor

do potro que --- sem saber,
perdeu a razão de ser
na faca do castrador. "
-Jayme Caetano Braun


domingo, 27 de julho de 2014

Meus maiores exemplos de hombridade, meus orgulhos. Pai, avô e irmão. (Estância do Capão - julho/2014)
"Se hoje é um dia especial?? É claro!! O que seriam de nós mulheres sem os homens?? Feministas que me desculpem, mas NÃO, o mundo NÃO É das mulheres, nunca foi e nunca vai ser. O mundo nada seria sem a força (não só no sentido físico) dos homens. Nada seria de nós sem um pulso forte na criação, um conselho, um abraço de pai. Nada seria de nós sem uma boa história contada por um avô, e o respeito que ele nos impõe. Nada seria de nós sem um abraço protetor de irmão. Nada seria de nós sem amigos verdadeiros. Devemos muito aos homens, pois foram eles que construíram o mundo como ele é, e que as mulheres insistem em mudar (não to dizendo que não foram boas algumas das mudanças, mas não quero igualdade), eles fizeram a nossa história, e continuam construindo. Enquanto a mulher precisa de lições pra crescer, o homem tem que buscar por seus próprios pés seu amadurecimento. Ele tem de aguentar tudo sem se mostrar fraco, sem por "a prova" sua masculinidade, sempre sendo o apoio a todos.
Meus parabéns a todos os homens!"
Bibiana da Rosa Teixeira (Uruguaiana, 15 de julho de 2013.)

terça-feira, 8 de julho de 2014

Orgulho? Não desse povo...

Hoje vejo todos aqueles que glorificaram a seleção desfazer desta. Todos aqueles que declararam amor aos jogadores, hoje os odeiam. O orgulho de uma nação acabou por um jogo. Vergonhoso?? Seria muito mais se fossem esses que maldizem lá em campo!! Nós enfrentamos uma seleção de outrora, com todas suas qualidades, e nem por isso deixamos de ter as nossas. Com toda essa modernidade, os amores eternos acabam em semanas, as palavras e o "fio do bigode" não valem de nada, promessas e juras são esquecidas, e o orgulho acaba com um "upa". Sinto dizer a esses que dizem não ser mais brasileiros que a nacionalidade não muda, levamos por resto da vida, o que nos resta é defendê-la e honrá-la com toda gana. Acredito sim que ser gaúcha venha antes de ser brasileira, mas ainda sou brasileira. Tenho vergonha da corrupção, do abandono da educação e da saúde, mas não adianta desgostar e abandonar o país sem nada fazer. O país melhora com a ajuda de cada um. Antigamente as guerras eram feitas a honra, sangue e orgulho, hoje são feitas com um sofá e meia duzia de palavras. Vamos todos nos orgulhar do que nos foi regalado, das benfeitorias do Brasil - que não são poucas, da nossa presença mundial (e eu falo em números, produção e afins, não em carnaval e putaria exportada). Vamos todos "dar o nó no lenço" e seguir a luta por uma nação.